Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

O Regional Nordeste 4-CNBB, esteve presente nesta segunda 11/08/2014, na presença do seu secretário executivo, Pe. Luiz Eduardo, no auditório da Câmara Municipal de Teresina, para participar de uma audiência publica cuja proposta é a realização de um plebiscito popular que ira acontecer de 01 a 07 de setembro de 2014. O plebiscito tem a intenção de chamar a população para dar o seu apoio para a criação de uma constituinte exclusiva para tratar da reforma politica brasileira.

Durante a audiência Pe. Luiz Eduardo teve a oportunidade de subir na tribuna e ler alguns trechos da Declaração dos Bispos do Piauí sobre as eleições de 2014, feita no contexto da 52ª Assembleia Geral da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil, na qual os bispos do Regional NE4 chamam a atenção dos fieis católicos sobre a responsabilidade de cada um em participar de forma consciente e ativa na escolha dos governantes, valorizando a política como espaço privilegiado de exercício da cidadania, da construção de consensos e de consolidação da democracia.

DSC01446

Pe. Luiz Eduardo enfatizou um dos trechos da carta na qual diz que é preciso resgatar a mensagem advinda das ruas nas grandes manifestações ocorridas no país em junho e em julho de 2013, pois é necessário levantar o debate sobre a reforma política que mude o modo como são conduzidas as eleições liberando-as da dominação do poder econômico que favorece a corrupção, esvazia a força do voto e cria desigualdades de disputa nos pleitos eleitorais.

Segundo o Papa Francisco, se a politica se tornou uma coisa “suja”, isso se deve ao fato de que “os cristãos se envolveram na politica sem o espirito evangélico”. É preciso que os cristãos deixe de colocar em outras pessoas a responsabilidade pela situação atual da sociedade e que cada um passe a perguntar a si mesmo o que pode fazer para torna a mudança que se deseja. Trecho tirado do livro Pensando o Brasil: Desafios Diante das Eleições 2014.

Veja aqui a Declaração dos Bispos do Piauí sobre as eleições de 2014.