Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
16 anos dedicados à Igreja de Teresina, vivenciando exemplarmente o testemunho de Jesus Cristo. Uma trajetória marcada pela simplicidade, humildade e serviço aos mais necessitados. A Arquidiocese de Teresina teve a honra de celebrar sábado, dia 11, às 10h, santa missa solene pelo aniversário de 90 anos do Arcebispo Emérito Dom Miguel Fenelon Câmara, na Igreja Catedral de Nossa Senhora Das Dores, localizada na Praça Saraiva, Centro da capital.
Miguel Fenelon Câmara Filho nasceu no dia 4 de abril de 1926, em Quixeramobim, município do Ceará. Desde menino já queria ser padre e com apenas 12 anos ingressou no Seminário Menor de Fortaleza ordenando-se ao sacerdócio aos 23 anos, em 8 de dezembro de 1948. Estudou no Seminário da Prainha, em Fortaleza. Fez pós-graduação em Roma, cursando Ciências Sociais na Universidade Gregoriana; e na Universidade Pro Deo, fez especialização em Ação Social e Opinião Pública.
Embora de origem cearense, revela grande amor ao Piauí, especialmente por Teresina. Foi padre no Ceará, atuando em paróquias do interior. Além de professor do Seminário Maior de Fortaleza, Bispo auxiliar da capital cearense e Arcebispo de Maceió. Nessas funções, dedicou a maior parte do seu tempo como homem consagrado.
Chegou a Teresina no ano de 1984 e tomou posse como arcebispo metropolitano em 6 de janeiro de 1985, desde então esteve à frente da Arquidiocese por 16 anos. Ao longo destes anos criou várias pastorais sociais como o primeiro Vicariato das Comunicações Sociais do Brasil com a finalidade de promover, articular e integrar os serviços de comunicação no âmbito de Igreja local.
Dom Miguel Câmara também criou o Vicariato da Ação Social, tendo uma atuação expressiva no desenvolvimento de projetos sociais em prol dos mais necessitados. Para o Vigário Geral da Arquidiocese, Pe. Tony Batista, ele sempre foi um pastor solícito e atento às necessidades do seu povo. “Disponível como um verdadeiro ministro de Deus, dispensador das suas graças, servidor dos seus irmãos, sobretudo, dos pequenos, marginalizados, das crianças, adolescentes em situação de risco e dos pobres em geral”, enfatizou.
Em todos estes anos ele contribuiu para o fortalecimento da ASA (Ação Social Arquidiocesana), criação do Lar da Fraternidade (para portadores de HIV), do Lar de Misericórdia (para doentes com câncer), Centro Maria Imaculada (Hanseníase), criação da Pastoral do Menor e tantos outros projetos sociais que ajudaram a transformar a vida de muitos necessitados e, por conseguinte, estimular uma consciência mais cidadã em Teresina.
Aos 90 anos de vida é um grande exemplo de que é possível viver a vida com equilíbrio, fé, alegria e sempre acreditando que tudo pode ser melhor para todos. Reside em Teresina e a escolha é vista por ele como uma retribuição à acolhida calorosa recebida pelo povo piauiense.