Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Após percorrer 5 continentes  chega a Teresina a exposição Madre Francisca Cabrini, que evidencia a caminhada religiosa de uma mulher que sonhava em ser missionária na China e  viu o seu sonho ser realizado através de gerações que aprenderam a carregar e praticar o seu lema em todos os lugares: Somos uma família no coração de Jesus!

O Centro de Juventude Santa Cabrini, localizado na região da Vila Irmã Dulce, zona sul de Teresina, é o cenário de exposição dessa caminhada que já tem 18 anos de atuação no Piauí, com foco voltado para a proteção e o amparo aos imigrantes e migrantes.

E para marcar esse legado, deixado por Santa Cabrini, foi realizado um momento festivo e de confraternização com colaboradores,  missionárias da Comunidade, além de crianças e adolescentes atendidas no Centro, afinal esse é o público principal da Comunidade em Teresina que desenvolve ações de proteção aos desamparados através da formação e promoção humana.

O Centro da Juventude Santa Cabrini constitui-se num espaço socioeducativo para crianças, adolescentes, jovens e suas famílias em situação de vulnerabilidade social, com a determinação de aprofundar o compromisso com a solidariedade e a justiça social. E para a Irmã Denise Morros, que está no Piauí desde a fundação do Centro,  o dia é de alegria.

“Esse é um momento de felicidade! Porque dar continuidade a obra de Santa Cabrini é nossa missão principal. E a primeira inspiração é o coração de Jesus Cristo. Portanto fazer essa mostra faz com que olhemos para esse cenário de 18 anos e possamos de fato afirmar: Tudo posso Naquele que me fortalece. E isso faz a gente ser cada vez mais missionária. A grande inspiração de Madre Cabrini era ir para a China. Ela não foi, mas suas filhas chegaram e conseguiram desenvolver um trabalho voltado para os mais pobres. E hoje aqui em Teresina, nós também damos prosseguimento a essa missão que é promover a vida”.

O trabalho desenvolvido pelas irmãs cabrinianas se dá através do exercício efetivo da cidadania, da inclusão social e do respeito às diferenças. Desta forma a comunidade desenvolve um conjunto de ações que buscam a construção de uma sociedade mais justa, fraterna, inclusa e solidária.

Para a Irmã Glória Caixeta a avaliação é positiva. “A nossa avaliação é o retorno da sociedade. Cheguei aqui em 2013 e diariamente os moradores da comunidade, assistidos pelas nossas ações vem aqui a nossa porta agradecer. Eles tiveram a oportunidade e souberam abraçar. Assumiram as rédias de suas vidas. Mesmo diante das dificuldades, em cenários pobres e carentes são esforçados. Aproveitam as ofertas e unidos dão a volta por cima. Hoje a assistência social descobriu que sem esse fortalecimento e vínculo familiar as coisas não acontecem. E nossa maior missão é de que, em qualquer lugar que essas crianças atendidas cheguem,  elas assumam postura cristã. Não é à toa que madre Cabrini falava em oportunizar. Temos provas aqui de crianças que se tornaram adultos competentes, honestos e que são exemplos no seio familiar e na sociedade. Então nossa missão é de oportunizar uma vida melhor para aqueles que nos procuram”, reforça.

E a lição tem mesmo rendido frutos. A jovem Maria Eduarda, assistida no Centro de Juventude Santa Cabrini tem apenas  11 anos de idade mas garante que já são muitas as lições que vão ficar para uma vida inteira.

“Aqui encontrei disciplina. Hoje respeito mais o próximo e sinto muito prazer em ajudar. Faço oficina de teatro e já até encenei uma peça que conta a história de Santa Cabrini. Sou muito feliz aqui”, finaliza.

Por Vera Alice Brandão (Setor de Comunicação da Arquidiocese de Teresina)