Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A Diocese de São Raimundo Nonato, a 522 km da Capital piauiense, Teresina, teve uma noite muito importante, nessa terça-feira (07), para toda a comunidade regional e Igreja no Brasil, marcada pela Missa de Reconhecimento Canônico para Beatificação do Servo de Deus, Dom Inocêncio Lopez Santamaria.

A Equipe do Vaticano (Roma) está em São Raimundo Nonato (PI) desde quarta-feira, 1 de fevereiro, onde realizou o serviço de exumação dos restos mortais de Dom Inocêncio Lopez Santamaria que estavam nointerior da Igreja Catedral, como parte do processo para a Causa da Beatificação e Canonização do Servo de Deus.

A Missa de Reconhecimento Canônico para a Beatificação de Dom Inocêncio, contou com a participação de autoridades do município e de toda comunidade, para render Graças a Deus, juntamente o Clero da diocese e os frades Mercedários.

Após a Santa Missa, aconteceu o momento de reconhecimento canônico dos restos mortais de Dom Inocêncio e foram assinados documentos, que são necessários nessa etapa, dentre eles, uma ata contendo a assinatura do bispo diocesano, Dom Eduardo Zielski; do Postulador Geral da Ordem Mercedária do Brasil, Frei Reginaldo, espécie de advogado que tem a tarefa de investigar detalhadamente a vida do candidato para conhecer sua fama de santidade, de um médico legista e do pedreiro que trabalhou na exumação.  Os restos mortais foram retirados do sepulcro e colocados numa urna de acrílico. Em seguida numa urna de madeira, colocada dentro de um sarcófago de granito, onde está escrito: Servo de Deus – Dom Inocêncio Lopez Santamaria – Bispo.

Frei Rogério, Provincial da Ordem Mercedária do Brasil, informou a Assessoria de Comunicação do Regional Nordeste 4 (Piauí) que a Diocese de São Raimundo Nonato, formou o tribunal eclesiástico e o bispo diocesano nomeou o Pe. Alaércio, como juiz e o Pe. Edilson, promotor; e, juntamente com a comissão histórica designada pela Ordem Mercedária do Brasil estão fazendo estudos, pesquisas e coletando testemunhos, para levantar todos os dados biográficos e históricos, para desenvolver um libelo, onde constará todo processo que será enviado para o Vaticano (Roma). O processo deve durar aproximadamente dois anos e meio.

Entenda as etapas do processo de beatificação e canonização 

(Informações Canção Nova)

Antigamente somente o Papa podia promover uma causa de canonização, mas hoje em dia, os bispos têm autoridade para isso. Portanto, em qualquer diocese do mundo pode-se iniciar uma causa de canonização.

Para cada causa é escolhido pelo bispo um postulador, espécie de advogado, que tem a tarefa de investigar detalhadamente a vida do candidato para conhecer sua fama de santidade. Nesta causa, como a Ordem Mercedária foi a primeira interessada em parceria com a Diocese de São Raimundo Nonato, foram escolhidos como Postulador Geral o Frei Reginaldo Roberto Luiz, que vive em Roma; e nomeado um vice postulador no Brasil, o Frei José Maria Mohamed.

Quando a causa é iniciada, o candidato recebe o título de Servo de Deus, que é o caso de Dom Inocêncio Lopez Santamaria. O primeiro processo é o das virtudes ou martírio. Este é o passo mais demorado porque o postulador deve investigar minuciosamente a vida do Servo de Deus. Em se tratando de um mártir, devem ser estudadas as circunstâncias que envolveram sua morte para comprovar se houve realmente o martírio. Ao terminar este processo, a pessoa é considerada venerável.

O segundo processo é o milagre da beatificação. Para se tornar beato é necessário comprovar um milagre ocorrido por sua intercessão. No caso dos mártires, não é necessária a comprovação de milagre. O terceiro e último processo é o milagre para a canonização. Este tem que ter ocorrido após a beatificação. Comprovado este milagre, o beato é canonizado e o novo Santo passa a ser cultuado universalmente.

Imagens: Via Rede Social