Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

No sábado, 27 de agosto, o Papa Francisco preside, na Basílica de São Pedro, às 16h (horário do Vaticano), o Consistório Público para a criação de 20 cardeais. Entre os novos purpurados, estarão dois brasileiros: dom Leonardo Steiner, arcebispo de Manaus (AM); e dom Paulo Cezar Costa, arcebispo de Brasília (DF).

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) vai transmitir, ao vivo, em suas redes sociais (Youtube, Facebook e Twitter), esse oitavo consistório do pontificado de Francisco a partir das 11h horário de Brasília.  Nessa mesma ocasião, haverá a votação das causas de canonização dos bem-aventurados João Batista Scalabrini, fundador da Congregação dos Missionários e Missionárias de São Carlos Borromeu, e de Artemide Zatti, religioso salesiano.

Um servidor do Povo de Deus

Direto de Roma, onde encontra-se em preparação para o Consistório Ordinário Público para a criação de novos cardeais convocado pelo Papa Francisco para o próximo dia 27 de agosto, o arcebispo de Brasília (DF), dom Paulo Cezar da Costa, que será um dos 20 cardeais que serão criados, falou de suas expectativas ao portal da CNBB: “Estou, em Roma, me preparando para receber o cardinalato. Tenho pedido a graça, ao Senhor, de ser um servidor do Povo de Deus, ajudando o papa Francisco”.

O Consistório para a criação de cardeais é o ordinário público, quando, além dos cardeais, são admitidas outras pessoas convidadas. Não se trata de uma missa, mas de uma celebração litúrgica constituída de uma saudação, oração e proclamação do Evangelho. Após a homilia do Santo Padre, os novos cardeais fazem a profissão de fé e o juramento de obediência à Igreja Católica na pessoa do Papa e de seus sucessores.

Nesta quinta-feira, 25 de agosto, o arcebispo de Brasília concedeu entrevista a Rádio Vaticano – Vatican News na qual expressou o sentimento com a escolha do Papa. “Sentimento de gratidão por aquilo que o Papa Francisco está fazendo, seja pela Igreja do Brasil, pela Igreja de Brasília, e ao mesmo tempo sentimento do amor misericordioso de Deus para comigo. 

Os nomes de dom Paulo e de dom Leonardo Steiner integram a lista de 20 novos cardeais que serão criados pelo Santo Padre anunciados na conclusão do Regina Coeli no domingo, 29 de maio, na festa da Ascensão do Senhor. O portal da CNBB não conseguiu o contato com dom Leonardo Steiner que também encontra-se em Roma para o consistório

A partir do oitavo consistório do pontificado de Francisco, o Colégio de Cardeais passará a contar com 226 cardeais. O último conclave foi em 28 de novembro de 2020, ainda na plena pandemia. Segunda e terça-feira, 29 e 30 de agosto, haverá um encontro de cardeais para refletir sobre a nova Constituição Apostólica, Praedicate Evangelium, que entrou em vigor em 5 de junho.

Números do atual Colégio Cardinalício

Atualmente, o Colégio Cardinalício é composto por 206 cardeais, dos quais 116 são eleitores e 90 não eleitores, que, por ultrapassarem os 80 anos, não participam de um eventual conclave. Com o novo consistório de agosto chegará a 226 purpurados, dos quais 131 são eleitores.

“Sem dúvida, o cardinalato é um sinal de distinção, mas, ao mesmo tempo, de grande responsabilidade, quando nos salta aos olhos o quanto nos tornamos corresponsáveis com o Papa pelos cuidados da Igreja como um todo”, afirmou o cardeal Scherer, ao falar de sua participação no Colégio Cardinalício, em entrevista ao jornal O São Paulo, da arquidiocese de São Paulo.

Cardeais do Brasil atualmente:


Nomeado pelo então Papa João Paulo II

Dom Geraldo Magella Agnelo, arcebispo emérito de Salvador (BA)

Nomeados pelo Papa Bento XVI
Dom Assis João Braz de Aviz, atual prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica no Vaticano
Dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo (SP)
Dom Raymundo Damasceno, arcebispo emérito de Aparecida (SP)

Nomeados pelo Papa Francisco
Dom Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro (RJ)
Dom Sergio da Rocha, arcebispo de Salvador (Primaz do Brasil)

Fonte: CNBB Nacional