A cruz peregrina da 15ª Romaria da Terra e da Água do Piauí foi entregue para a Diocese de Parnaíba, neste sábado, dia 28 de maio. O símbolo da romaria encerrou a sua peregrinação pela Diocese de Campo Maior, na Paróquia de Santa Luzia e São José Operário de Barras, sendo entregue em seguida à Paróquia de São Gonçalo, de Batalha.

É com bastante alegria e expectativa que recebemos a cruz peregrina em nossa Diocese. Estamos na reta final, nos organizando para entregar um grande evento na nossa querida cidade de Piripiri. A romaria possui um forte apelo religioso e social onde teremos a oportunidade de buscar o direito da terra e da água para todos, da libertação do latifúndio e de todas as formas de opressão, destacou Frei Leandro.

Ainda de acordo com o pároco, a Romaria expressa o compromisso da Igreja e da sociedade em viver uma fé libertadora e uma ação política transformadora:

“A 15ª Romaria da Terra e da Água do Piauí será um grito de louvor a Deus pelos pobres, será a voz dos excluídos, dentro de um espaço de fraternidade e de lutas. Ser cristão exige de nós ações concretas. É a celebração que faz com que o povo do campo se mobilize e que, além de renovar a sua fé, mostre ao mundo a sua luta constante”, enfatizou.

Para o bispo de Campo Maior, Dom Francisco de Assis, as Romarias da Terra e da Água são espaços de lutas e conquistas coletivos e expressam um compromisso com a defesa da nossa casa comum:

As romarias introduziram a palavra, a reflexão, a transformação da sociedade, a construção do reino de Deus. As romarias tradicionais estão centradas na individualidade. As Romarias da Terra têm como foco o coletivo e a realidade do povo. É um momento especial de encontro com o Deus da vida e com os irmão e irmãs de Norte a Sul do estado para rezar e refletir as questões que envolvem a nossa casa comum, disse.

Dom Francisco também reforçou que as Romarias da Terra e da Água representam uma extensão da Igreja para além dos limites do templo, que deve participar ativamente de tudo o que diz respeito ao bem estar das pessoas, à garantia de direitos fundamentais e a concretização da justiça social:

É uma manifestação religiosa preparada por muitas mãos que envolve e contagia milhares de pessoas. Caracteriza-se por ser um espaço profético, privilegiado, em que a fé e a vida se mesclam. A importância da romaria se justifica pela sua forma de evangelizar em tempo atuais, pois representa uma Igreja em saída e imprime no coração e na vida do povo simples das nossas comunidades missionárias aquele impulso para lutarmos juntos pela cidadania e o bem comum, sinais de fraternidade e melhoramento da vida de todas as pessoas.

A comissão organizadora da 15ª Romaria da Terra e da Água do Piauí segue com os preparativos para o evento, que será realizado nos dias 16 e 17 de julho, em Piripiri. Cerca de 5 mil peregrinos de todas as Dioceses do Piauí são esperados para participar das atividades. O Regional Nordeste da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), em parceria com movimentos populares e entidades como a Cáritas e a CPT (Comissão Pastoral da Terra), está montando uma mega estrutura para recepcionar os romeiros com palcos, banheiros, alojamento, alimentação, etc. O poder público, através do Governo do Estado do Piauí e da Prefeitura Municipal de Piripiri, também estão engajados neste sentido.

Texto: Ryan Andrade (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)

Fotos: Victor Spindola (Diocese de Parnaíba)