Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Na manhã dessa quarta-feira 11 de maio, os alunos do Instituto Monsenhor Hipólito  entregaram ao Bispo Diocesano de Picos, Dom Plínio José Luz da Silva, coleta arrecada pela Instituição para a Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016.

Para arrecadação do valor os alunos foram motivados, juntamente com toda família cordimariana, a realizar uma campanha solidária, colocando em prática o gesto da partilha. “Durante o período da quaresma passávamos uma caixa em cada turma da educação infantil até o terceiro ano do ensino médio onde todos os dias eles traziam a sua quantia e depositavam na caixinha”, afirmou a Ir. Regiane Nascimento.

Há anos, o Instituto Monsenhor Hipólito faz a doação para a Diocese fortalecendo cada vez mais a vivência dos valores e a importância de se colocar no lugar do outro, bem como despertando nos discentes, o serviço da partilha, gesto que faz parte da proposta educadora da Instituição.

“É com muita alegria que nós viemos aqui entregarmos essa coleta ao bispo, porque eu e os alunos do IMH cada um entregávamos a quantia que quiséssemos ou pudéssemos, não era uma obrigação, mas cada um dava pensando em quem ia ajudar. E é com muito prazer que viemos aqui representando o Instituto Monsenhor Hipólito, porque fazemos de tudo para ajudarmos como a gente pode”, disse Lívia, aluna do sexto ano.

De acordo com o Bispo Diocesano, Dom Plínio José Luz da Silva, a coleta é arrecada em todo Brasil através das igrejas e instituições, é uma iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB e acontece no domingo de ramos quando se encerra a Campanha da Fraternidade. Quanto ao valor arrecado, Dom Plínio afirmou: “40% é enviado para a CNBB que forma o Fundo Brasileiro de Solidariedade e 60 % ficam na diocese que é entregue a Cáritas Diocesana e a mesma distribui através de projetos sociais”.

Após receber das mãos dos alunos o envelope com a coleta, o Bispo agradeceu pelo gesto concreto e ressaltou: “Para nós é uma honra muito grande, porque são iniciativas de alunos que vão se educando para a questão da partilha, educação que parte da escola com a aceitação dos pais”, concluiu.

As crianças e adolescente estavam acompanhadas da irmã Regiane, da Congregação Filhas do Coração Imaculado de Maria e pela coordenadora do Bem-Estar, professora Núbia.