Aconteceu, de 29 de junho a 01 de julho, no Centro de Treinamento Padre Tony Batista, em Teresina, a 32ª Assembleia Pastoral do Regional Nordeste 4 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O encontro reuniu bispos, padres e representantes de pastorais, serviços, movimentos e organismos das 8 dioceses que compõem o Regional e teve como tema ‘Catequista: vocação e missão’ e lema ‘Corações ardentes, pés a caminho’ (Lc 24, 32-33).

A Presidência do Regional Nordeste 4 esteve representada pelo vice-presidente e bispo de Campo Maior, dom Francisco de Assis e o secretário, dom Edilson Soares. Também esteve presente o secretário-executivo, padre Ataan Nerson Brito. O presidente e arcebispo metropolitano de Teresina, dom Juarez Marques , não participou desta edição porque viajou a Roma, onde recebeu o pálio arquiepiscopal, durante a solenidade de São Pedro e São Paulo, com o Papa Francisco.

Também estiveram presentes o bispo de Floriano, dom Edivalter Andrade;  o bispo de Picos, dom Plínio Luz;  o bispo de Bom Jesus do Gurgueia, dom Marcos Tavoni e o arcebispo emérito de Teresina, dom Jacinto Furtado de Brito Sobrinho. O evento contou com palestras formativas assessoradas pelo padre Abimar Oliveira, da Arquidiocese do Rio de Janeiro, além de celebrações, momentos de oração, grupos de estudo e confraternização.

De acordo com vice-presidente do Regional, dom Francisco de Assis, a 32ª AR-CNBB, possibilitou uma maior compreensão do ministério do catequista e uma necessidade de ampliar o ensino da doutrina cristã e dos sacramentos nas diversas realidades pastorais:

“Esta assembleia, sem dúvida, transcorreu num clima de forte comunhão e sinodalidade. Ficou evidente que ela proporcionou uma grande sintonia pastoral entre os diversos organismos de cada igreja particular. E aqui também cabe destacar que o Regional Nordeste 4 abraçou e reconheceu a importância do itinerário que vai nos levar a uma catequese de inspiração catecumenal a serviço da iniciação à vida cristã”, destacou.

Já o secretário, dom Edilson, destacou que o exercício da catequese não é tarefa apenas de ministros ordenados, mas de todos aqueles que são chamados para transmitir a verdadeira fé e a educação cristã, em consonância com as sagradas escrituras e o catecismo da Igreja Católica:

“Sentimos uma necessidade de catequistas preparados, que tenham profundo conhecimento da doutrina católica. Precisamos de catequistas comprometidos com o Sagrado Magistério da Igreja, entusiasmados e revigorados pela fé e pela oração. Precisamos entender que a catequese não deve partir apenas do bispo ou dos padres, mas de todo o povo de Deus, que se sente chamado para esta missão de sair pelo mundo e anunciar a mensagem de Jesus Cristo”, disse.